Contrariamente ao que acontecia há um tempo atrás, a Google diminuiu a periodicidade de partilha dos números de adoção relativos ao Android. Contudo, os dados mais recentes respeitantes ao Android 13 acabaram de surgir, e revelam um cenário não tão animador como o que se poderia perspectivar...

Com efeito, segundo a gigante americana, apenas 12,1% dos dispositivos com Android estão neste momento a correr o Android 13. Apesar de estarmos perante um número, para todos os efeitos, baixo, há que pôr em cima da mesa o facto de que em janeiro passado o mesmo se situava nos 5%... Pode este salto ser considerado uma vitória? Depende da expectativa...

Contudo, ao compararmos os resultados da mais recente versão deste sistema com os do seu antecessor, o Android 12, é possível verificar uma taxa de sucesso mais baixa deste último.

Dados de janeiro de 2023
Dados de abril de 2023

O cenário até pode parecer animador para o Android 13, se o ritmo de adoção continuar neste crescendo constante. Porém, o que os gráficos acima insistem em mostrar, análise após análise, é a existência de uma enorme fragmentação entre as diversas versões do sistema operativo do robô verde...

Por exemplo, o Android 11 ainda é a versão mais utilizada, o que não é de todo positivo pois há que ter em conta que atualmente o 14 já se encontra em fase de testes... Num patamar semelhante encontra-se o ainda mais antigo Android 10...

Na verdade, não podemos culpar apenas a Google por este cenário, mas sim os fabricantes de equipamentos que usam Android. Atualmente ainda há milhões de smartphones, tablets e semelhantes que terminam o seu tempo de vida útil exatamente da mesma forma com que chegaram às prateleiras das lojas, pois não recebem o mínimo de atenção nem de suporte por parte do seu produtor. Este sim é o verdadeiro flagelo deste sistema operativo.

Felizmente, vemos atualmente uma tendência de comprometimento com o futuro por parte de diversas gigantes tecnológicas, como por exemplo a Samsung. São várias as marcas que agora garantem mais tempo de atualizações do que anteriormente, e esta decisão tem o potencial de, num futuro próximo, tornar os gráficos acima mais agradáveis de analisar. Pelo menos, assim esperamos...