Uma mão a segurar um Samsung Galaxy A55 5G na cor preta.
  • Home
  • Reviews
  • Samsung Galaxy A55 (Review): um gama média com bons trunfos
Samuel Pinto

Samsung Galaxy A55 (Review): um gama média com bons trunfos

PUB

Anunciado e lançado há pouco tempo no mercado português, o Samsung Galaxy A55 5G tem bons argumentos para ser mais um caso sério de sucesso de vendas. O modelo antecessor, a saber, o Galaxy A54, foi um dos terminais mais bem-sucedidos do portfólio da empresa sul-coreana. Logo, a fasquia para o seu sucessor, o A55, é elevada. Conseguirá o Samsung Galaxy A55 5G repetir a proeza do seu irmão, o Galaxy A54? Fica atento a esta review!

O Samsung Galaxy A55 é um equipamento de gama média-alta que se apresenta com algumas características e funcionalidades interessantes, algumas delas encontradas nos seus irmãos topos de gama, os Galaxy S24. Alguns pontos que merecem destaque neste dispositivo são o seu design e estrutura, feita em alumínio, e a traseira em vidro com proteção Gorilla Glass. O ecrã também conta com proteção Gorilla Glass Victus+.

Continuando na senda do ecrã, o Galaxy A55 tem embutido um ecrã Super AMOLED com uma taxa de atualização de 120 Hz e suporte ao HDR10+. Outro destaque é a câmara principal, que entrega resultados muito bons, e um recurso cada vez mais escasso em smartphones: o suporte para cartões MicroSD de até 1 TB de capacidade. Estes, entre outros, são os principais trunfos do Samsung Galaxy A55 5G. Vou dissecar mais alguns nos tópicos que se seguem.

Samsung Galaxy A55 5G com a interface de utilizador One UI 6.1 baseada no Android 14.
Samsung Galaxy A55 5G com a interface de utilizador One UI 6.1 baseada no Android 14.

Principais especificações do Samsung Galaxy A55 5G

Samsung Galaxy A55 5G
Processador Exynos 1480 Octa-Core (4nm), GPU Xclipse 530
Memória RAM 8 GB LPDDR5
Armazenamento 128 GB
Wi-Fi Wi-Fi 802.11a/b/g/n/ac/ax
Bluetooth 5.3
Conectividade NFC, USB-C 2.0, Dual SIM
Bateria 5000mAh, carregamento a 25W com cabo
Certificação IP67, resistente a poeiras e água
Ecrã 6,6" Super AMOLED, 120 Hz,1000 nits (pico),1080 x 2340 pixels, HDR10+, Always-on display, 390 ppi
Câmara frontal 32 MP, f/2.2 (wide)
Câmaras traseiras 50 MP, f/1.8, (wide), 12 MP, f/2.2, (ultrawide),5 MP, f/2.4, (macro)
Sensores Impressão digital embutida no ecrã.
Som Colunas Estéreo

Design e software do Samsung Galaxy A55

Design

As semelhanças de design do Samsung Galaxy A55 com os Galaxy S24 e S24+ são algumas. O módulo de três câmaras na vertical tem o mesmo layout do S24, bem como as laterais, que também são planas. A única diferença nas laterais do A55 face ao S24 é uma pequena elevação curvada que alberga os botões de volume e o botão ligar/desligar.

Traseira do Samsung Galaxy A55 com proteção Gorilla Glass.
Traseira do Samsung Galaxy A55 com proteção Gorilla Glass.

Incorporado no topo do Galaxy A55, está um microfone e a slot para o cartão MicroSD, um recurso cada vez mais raro de encontrar nos smartphones, mesmo em topos de gama. No fundo do dispositivo, o habitual conector USB-C, um altifalante e mais um outro microfone. Na parte frontal, as bezels do ecrã são mais largas quando comparadas com as dos Galaxy S24; contudo, para um terminal de gama média, é perfeitamente aceitável.

No que diz respeito à ergonomia, o manuseamento do Galaxy A55 entrega uma experiência agradável e confortável, bem semelhante aos seus irmãos Galaxy S24 e S24+, ou até mesmo ao iPhone, tendo em conta que o seu design lateral é muito semelhante ao dos topos de gama da Samsung e da Apple. Na minha opinião, o design e a ergonomia merecem nota positiva.

Software

A interface de utilizador é uma das principais preocupações que as fabricantes têm para entregar uma experiência sofisticada, robusta, mas que ao mesmo tempo seja simples de usar. O Samsung Galaxy A55 vem com a sua interface própria, a One UI 6.1, baseada no Android 14. Este equipamento, em particular, terá quatro anos de atualizações Android garantidas e cinco anos de atualizações de segurança. Assim sendo, o Galaxy A55 não terá direito aos mesmos 7 anos de atualizações Android que a gama Galaxy S24 terá.

Neste quesito, a experiência de utilização deste software é em tudo muito semelhante à que é possível encontrar em outros modelos da marca, como, por exemplo, nos Galaxy S24. Logicamente, há nuances que são exclusivas dos modelos mais caros.

Eu, como um purista Android, tenho preferência pela interface de utilizador do Android praticamente puro, sem qualquer tipo de personalização, como o que pode ser encontrado nos Google Pixel, ou nos Sony Xperia por exemplo. Mas confesso que, à medida que ia explorando a One UI do equipamento, a experiência, embora diferente de outros equipamentos Android, também era bastante agradável de utilizar.

Interface de utilizador One UI 6.1 do Samsung Galaxy A55
Interface de utilizador One UI 6.1 do Samsung Galaxy A55

Apercebi-me de que a Samsung organiza a sua interface de uma forma ligeiramente diferente de outras fabricantes Android. A gaveta de aplicações é organizada em páginas na horizontal, e não na vertical como nos Google Pixel. Como em tudo na vida, levei algum tempo para me acostumar a esta forma diferente de utilizar a gaveta de aplicações. Porém, reconheço que a mecânica que a Samsung incorporou na gaveta de aplicações até é melhor que a encontrada no Android puro da Google. Porquê? Ao invés de fazer scroll na vertical com 600 aplicações para encontrar uma que deseje, vejo que é mais prático e rápido encontrar a aplicação desejada fazendo swipe na horizontal, com as mesmas 600 aplicações instaladas. Um pequeno detalhe é certo, mas que vejo com muito bons olhos.

Para fechar este tópico do software, o Samsung Galaxy A55 tem bastantes aplicações pré-instaladas na sua One UI 6.1. Algumas delas são fáceis de remover, outras, como fazem parte do ecossistema da Samsung, Google e Microsoft, não são possíveis de desinstalar. Ao contrário do Google Pixel e do iPhone da Apple, onde só é necessário criar uma conta para utilizar os respetivos serviços e ecossistemas, a Samsung "obriga" a criar uma segunda conta, a Samsung Account, para que os utilizadores possam ter acesso a todos os serviços e ecossistema da empresa sul-coreana. Não é uma crítica, afinal de contas, todas as outras fabricantes também o exigem, mas é mais uma conta para gerir. A excepção é mesmo a Apple e a Google, que apenas exigem uma única conta para tudo.

Ecrã Super AMOLED do Galaxy A55

Desde há muito tempo que a Samsung sempre habituou os seus utilizadores a excelentes ecrãs, principalmente nos modelos topo de gama. Mas, mesmo nos equipamentos do segmento intermédio, não há razão para queixas, e um dos destaques deste Samsung Galaxy A55 é precisamente o ecrã.

Este modelo, em particular, ostenta um ecrã Super AMOLED de 6,6 polegadas, com resolução FHD+ de 1080 x 2340 pixels e 390 pixels por polegada, contando também com suporte a HDR10 e ao Always-on display. Outro fator positivo é a taxa de atualização adaptativa que alterna entre os 60 Hz e os 120 Hz

Não é o supra-sumo dos ecrãs; ainda assim, o ecrã do Galaxy A55 tem cerca de 1000 nits de brilho máximo, um valor interessante e que supera vários modelos da mesma faixa de preço. Por outro lado, também há modelos da mesma faixa de preço que apresentam uma luminosidade mais alta. Por defeito, a calibração de cores está num nível bastante bom e, nas definições do equipamento, é possível escolher entre dois modos do ecrã: o vivo e o natural. Além disso, é possível ativar a opção Escudo de Conforto Ocular presente no Galaxy A55, para uma melhor proteção das vistas.

Embutido no ecrã do Galaxy A55 está o sensor de impressões digitais, que revelou vários problemas no seu funcionamento. Durante a análise, recebi uma atualização de software que aparentemente resolveu o problema, mas ocasionalmente ainda falha na leitura da impressão digital. Vários fóruns apontam para algum bug de software na One UI. Embora, à data desta review, a Samsung ainda não se tenha pronunciado oficialmente, tudo indica que estará a trabalhar numa correção via software.

Sensor de impressões digitais embutido no ecrã do Samsung Galaxy A55.
Sensor de impressões digitais embutido no ecrã do Samsung Galaxy A55.

Bateria e autonomia

No que toca à autonomia, o Samsung Galaxy A55 tem incorporada em si uma bateria com uma capacidade de 5000 mAh. Em números brutos, a capacidade é a mesma do modelo antecessor; porém, como o novo chip Exynos é mais eficiente, é expectável que a autonomia seja ligeiramente superior. Há um detalhe que tem que ser mencionado: o ecrã do A55 tem mais 0,2 polegadas que o modelo antecessor e, em teoria, isso poderá contribuir para um ligeiro aumento de energia.

Seja como for, o facto é que a autonomia do Galaxy A55 apresenta valores muito satisfatórios. No meu uso pessoal (chamadas, videochamadas, mensagens, notificações, YouTube, plataformas de stream, jogos casuais, navegação web e leitura), consegui chegar ao fim do dia com uma percentagem que variava entre os 20 e os 30%. Um valor dentro do aceitável.

Na minha experiência, as 0,2 polegadas a mais no ecrã não tiveram qualquer relevância na autonomia. A velocidade de carregamento do Samsung Galaxy A55 não é das mais impressionantes dentro da sua gama, mas com um carregador de 25 W (o máximo suportado), em pouco mais de 1 hora é possível carregar até aos 100%.

Desempenho do Galaxy A55

A Samsung optou por recorrer a um chip caseiro, o novo Exynos 1480, com uma litografia de 4 nanómetros, para uma melhor eficiência energética. A sua unidade de processamento central (CPU) é de oito núcleos no total: quatro núcleos Cortex-A78 de alto desempenho, com velocidades de até 2,75 GHz, e quatro núcleos Cortex-A55 de eficiência energética, que operam até 2,0 GHz. A unidade de processamento gráfico (GPU) é uma Xclipse 530, desenvolvida em conjunto com a AMD e baseada na arquitetura RDNA 2.

Estes tecnicismos, por si só, não dizem muito ao comum utilizador. O facto é que os testes de benchmark mostram que este chip do Galaxy A55 é 17 a 27% mais rápido que o chip que equipava o modelo antecessor, o do A54. Dentro do seu segmento e em termos técnicos, há processadores melhores que o Exynos 1480, mas a realidade é que, na utilização diária, a diferença entre eles não é tão perceptível ao comum utilizador.

O Samsung Galaxy A55 vem equipado com o chip Exynos 1480.
O Samsung Galaxy A55 vem equipado com o chip Exynos 1480.

Na minha utilização diária, o equipamento era bastante responsivo e rápido o suficiente para as tarefas diárias. Em jogos, o Galaxy A55 teve um desempenho bastante satisfatório na maioria dos jogos mais populares. Em jogos como Genshin Impact, Asphalt 9, CarX Street ou Call of Duty, o frame rate variava entre os 30 e os 40 fps, sendo que, em alguns deles, o frame rate até chegou a ultrapassar os 50 fps.

Nesse ínterim, o Galaxy A55 tem um desempenho mais que suficiente para lidar com jogos mais pesados, ainda que, por vezes, a taxa de quadros desça um pouco. É natural que, em certos jogos, o mais sensato seja reduzir as configurações e os gráficos para manter um frame rate elevado. No geral, o dispositivo teve um desempenho bom e, muito importante também, sem aquecer demasiado.

Câmaras traseiras

No que às câmaras traseiras diz respeito, o Samsung Galaxy A55 tem albergado em si um módulo de câmaras com três lentes, que são elas as seguintes:

  • Câmara principal de 50 MP com uma abertura f/1.75 e zoom digital até 10x.
  • Câmara ultra grande angular de 12 MP com uma abertura f/2.2.
  • Câmara macro de 5 MP com uma abertura f/2.4.

Começando pela câmara principal, esta efetivamente consegue resultados excelentes. A lente de 50 MP tem foco automático e estabilizador ótico automático (OIS), conseguindo assim resultados muito bons, principalmente em ambientes bem iluminados, entregando fotografias com cores realistas, nítidas, naturais, vibrantes, detalhadas e com boas definições nas texturas. A faixa dinâmica e o contraste estão bem, a exposição é precisa e a temperatura da cor é do meu agrado. A meu ver, parece que a Samsung, nos últimos tempos, optou pela bitola das cores mais naturais e reais e menos saturadas; isso é muito positivo.

Módulo de três câmaras do Samsung Galaxy A55.
Módulo de três câmaras do Samsung Galaxy A55.

O zoom digital a 2x a 4x da câmara principal também apresentam resultados bem satisfatórios; contudo, não apresentam o mesmo nível de nitidez e detalhe do modo 1x, sendo perceptível um ligeiro ruído. O zoom digital a 10x realmente é um pouco penoso, mas é suficiente para registrar um momento para a posterioridade.

Por sua vez, o Modo Noturno a 1x também apresenta resultados bastante interessantes, com um contraste e cores de qualidade. Quando o Modo Noturno é ativado, também é possível capturar fotografias com uma aparência mais natural, nítidas e com mais detalhes. A partir do zoom a 2x ou mais, o ruído das fotos no Modo Noturno também se sobressai.

Quanto à lente macro de 5 MP, a mim não me impressionou, e preferia ter uma lente telefoto, que certamente seria bem mais útil. Com esforço e várias tentativas, eventualmente lá se conseguirá uma foto macro interessante.

Semelhantemente, o Modo Noturno da câmara ultra grande angular de 12 MP do Galaxy A55 não é a última bolacha do pacote, mas é competente. Nesse sentido, as fotografias capturadas no modo 0,5x apresentam um ligeiro ruído e uma faixa dinâmica mais limitada. A falta de detalhe e profundidade nas sombras pretas evidencia isso. Mas para fotografar de dia, a ultra grande angular é muito boa.

Todavia, é das melhores câmaras ultra grande angular que se encontra nesta faixa de preços. Por fim, o Modo Retrato apresentou resultados bons, mas com uma ligeira dificuldade em processar o isolamento do sujeito ou primeiro plano (close-up); neste caso, o cabelo, do fundo desfocado (conhecido como efeito bokeh).

Alguns exemplos da qualidade fotográfica das câmaras traseiras do Galaxy A55:

Modo retrato

Modo Noturno 0,5x

Modo Noturno 1x

Modo Noturno 2x

Ultra grande angular 0,5x

Grande angular 1x

Grande angular 2x (zoom digital)

Zoom digital 4x

Zoom digital 10x

Fotografias Macro

Câmara frontal

Da mesma forma, a câmara frontal de 32 MP é bastante competente, entregando excelentes fotos com bastante detalhe e nitidez, com cores bastante naturais, principalmente em ambientes com boa luminosidade. À semelhança da câmara principal, o Modo Retrato da câmara frontal também consegue resultados muito bons. No entanto, dependendo do sujeito ou do primeiro plano, também pode sofrer uma ligeira dificuldade em isolar o primeiro plano do fundo desfocado. O exemplo abaixo mostra que o chapéu branco da minha filha não foi bem isolado.

Fotografias com a câmara frontal

Gravação de vídeo

  • Câmara frontal- 4K a 30 fps / 1080p a 60 e 30 fps/ 720p a 30 fps.
  • Câmara traseira- 4K a 30 fps / 1080p a 60 e 30 fps/ 720p a 30 fps.

Em gravação de vídeo, a câmara principal do Samsung Galaxy A55 consegue takes com uma qualidade bastante boa. A estabilidade das filmagens 4K é bastante consistente, graças ao estabilizador eletrónico de imagem (EIS, não confundir com OIS), um dos melhores neste segmento. No geral, os vídeos capturados pelo Galaxy A55 apresentam um bom contraste, com bons detalhes e uma faixa dinâmica vasta. Os vídeos da câmara ultra grande angular estão quase ao mesmo nível da câmara principal, sem grandes apontamentos a fazer.

Peso e dimensões

  • Peso- 213 gramas.
  • Altura- 161,1 mm.
  • Largura- 77,4 mm.
  • Profundidade- 8,2 mm

Conteúdo da caixa

  • Samsung Galaxy A55 5G.
  • Cabo USB-C para USB-C.
  • Guia de início rápido.
  • Ejector de cartão SIM

Preço, cores e disponibilidade

O Samsung Galaxy A55 5G está disponível em Portugal nas lojas físicas habituais, com um valor que pode variar entre os 449€ e os 559€. Ocasionalmente, algumas lojas físicas e lojas online de produtos eletrónicos conseguem preços ainda mais baixos.

À data desta publicação, o Galaxy A55 está disponível em Portugal nas cores preto, azul, lavanda e verde-lima.

Notas finais

Em conclusão, o Samsung Galaxy A55 é um equipamento que oferece bons recursos aos seus potenciais utilizadores. O conjunto de câmaras, como um todo, entrega boas fotografias, com destaque para a câmara principal e a câmara frontal. O modo vídeo também está incluído neste destaque, com resultados muito satisfatórios. Outro ponto positivo é o seu design, bem como os materiais nobres usados na sua construção, que não estão muito longe daquilo que os Galaxy S24 e S24+ oferecem. A autonomia, o desempenho e a qualidade do ecrã também satisfazem bastante.

Por outro lado, não posso deixar de apontar para os dois principais pontos menos positivos, na minha opinião. O primeiro tem a ver com o sensor de impressões digitais, que ainda apresenta algumas falhas, sendo certo que a empresa sul-coreana não deixará de resolver isso. O segundo, não é que seja um defeito — até pode ser feitio para muitos —, mas para mim as bezels do ecrã são um pouco grossas, ainda que seja um smartphone de gama média.

Com efeito, a concorrência no segmento intermédio é feroz e, embora a Samsung posicione o seu Galaxy A55 como um dos melhores dispositivos desse meio, a realidade é que outras fabricantes apresentam argumentos que podem baralhar potenciais interessados. Seja como for, o Samsung Galaxy A55 5G é um dos dispositivos mais competentes encontrados nesta gama.

Prós e contras do Samsung Galaxy A55 5G

Prós

  • Estrutura em alumínio.
  • Painel traseiro e ecrã com proteção Gorilla Glass Victus.
  • Câmaras principal e frontal competentes.
  • Suporte para cartões MicroSD de até 1TB.
  • 4 anos de atualizações Android.
  • Altifalantes com boa qualidade áudio.
  • Ecrã AMOLED com uma taxa de atualização de 120 Hz.
  • Performance adequada para esta faixa de preço.

Contras

  • Bezels um pouco grossas para um equipamento de 2024.
  • Sensor de impressões digitais ainda com algumas falhas.
  • Não é muito rápido a carregar.
  • Algumas aplicações pré-instaladas.

Vê mais no Droid Reader:

Samuel Pinto profile image Samuel Pinto
Publicado a
Reviews Samsung